Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

scriptorium

"Tal como surgiu diante dos meus olhos, a esta hora meridiana, fez-me a impressão de uma alegre oficina da sabedoria." (Umberto Eco, O Nome da Rosa)



Quarta-feira, 13.05.15

A LÍNGUA, ESSA GRANDE TRAIDORA

Untitled.png

A história da língua é uma história de traições, uma memória incorporada de deslealdades. À semelhança do que o filósofo antigo disse da água do rio, a lealdade à língua que passou por nós no preciso momento em que lá estávamos, que era o nosso momento, é, em verdade, uma deslealdade para com a língua que julgávamos estar a aceitar como de antemão fixada. Perdem-se, nas margens do tempo, as vozes,  os rostos, os olhos, as mãos, as canetas, as teclas, que instalaram comportas, levantaram remoinhos, interpuseram barragens, regularizaram leitos e caudais, desviaram linhas de água, cortaram rumorejos, roubaram transparências, ramificaram correntes e contracorrentes no grande e largo e fundo e volumoso rio que é uma língua. E, enquanto isso, ela, a língua, ri-se palimpsesticamente, ri-se queirosianamente, ri-se filosoficamente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Maria Almira Soares às 17:49


2 comentários

De Happy & Healthy a 13.05.2015 às 23:02

Adorei. Um texto que faz jus ao trajeto sinuoso da língua portuguesa. Muitos parabéns!

http://happyandhealthy.blogs.sapo.pt/

De Maria Almira Soares a 13.05.2015 às 23:43

Ainda bem que gostou!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Maio 2015

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31