Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

scriptorium

"Tal como surgiu diante dos meus olhos, a esta hora meridiana, fez-me a impressão de uma alegre oficina da sabedoria." (Umberto Eco, O Nome da Rosa)



Quarta-feira, 22.11.17

EU FUI A ÁFRICA DE LIVRO

No próximo dia 28, na comunidade de leitores LERDOCELER, o livro bem presente vai ser este:

250x.jpg

   Há quem vá de avião. Eu fui de livro. E foi Chimamanda Ngozi Adichie quem me ofereceu a passagem. Fui de livro e ir de livro não é só viajar, é estar. Durante mais de setecentas páginas estive em África. Estive em África, mas não apenas no lugar, nesse lugar do mundo a que chamam África. Não estive apenas nos lugares, estive em pessoas, em desejos, em emoções, em pensamentos, em gestos, em momentos e circunstâncias. Meio Sol Amarelo levou-me à Nigéria e, de lá, a ver o mundo. Um país é sempre também quem o olha de fora, quem o ignora de fora, quem o confunde de fora. E quem dele sai para o mundo. Levou-me a ver o mundo, porque as pessoas que são um país, neste caso a Nigéria, são um mundo. Andei e sofri e rejubilei com Kainene, com Olanna, com Ugwu, com Odenigbo, com Richard... Mas, tenho de confessar, andei sobretudo com Ugwu. E sinto-me grata pela sua companhia. E sinto-me grata a Chimamanda por ter criado este meu companheiro de viagem-leitura. Andar com ele foi andar com a ternura, com a inocência, com o sonho, com o amor, com a fraqueza, com toda a gama dos sentimentos mais humanos. Ugwu é, entre os habitantes da metade de sol que ilumina este livro, uma espécie de força mansa que os mantém. Na alegria e na tragédia. Do seu lugar, no seu lugar, aparentemente subalterno, Ugwu é, para todos, direta ou indiretamente, uma referência de bravia pureza e de ânsia de bem. Agradeço a Chimamanda ter escrito este livro e, sobretudo, ter criado este rapazinho impertinente e macio.

   Eu nunca fui a África. Mas... Depois deste livro, fico na dúvida. Há uma maneira, a da leitura, de chegar aos povos, aos problemas, à História, à morte e à vida dos diferentes lugares do mundo, quando o livro e o que nele vai escrito, se abre para nos deixar passar, para nos deixar entrar. De uma maneira simples que é, afinal, aquela que melhor nos conta a complexidade.

   Um livro profundamente humanista.

   Quando Olanna chega a Kano, a casa da tia Ifeka, eu chego com ela. Na distância de todas as áfricas — humanas, geográficas, históricas, antropológicas, sociológicas, linguísticas, que sei eu — e na proximidade de todos os lugares do mundo onde há a ternura que acolhe e festeja, eu chego também. Eu sinto-me simultaneamente nas palavras de uma Chimamanda, de um António Nobre, de um Júlio Dinis... porque comigo, ao ler, chega também o Henriquinho a casa da tia Doroteia. Quando ouço a tia Ifeka a dizer «— A nossa Olanna!» ouço também a avó do poema de Nobre: «— Qu’é dos teus olhos, dos teus braços,/Valha-me Deus! Como ele vem!» Numa realidade muito diferente, a emoção é a mesma, a qualidade do Humano é a mesma. E saber escrevê-la uma vitória.

Eu nunca fui a África. Eu já fui a África. Nomeadamente à Nigéria.

 

Maria Almira Soares

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Maria Almira Soares às 13:35


10 comentários

De Anónimo a 27.11.2017 às 17:15

Gostei muito. Eu fui a Àfrica ,estive em Àfrica, e agora voltei lá com uma grande emoção.
Um obrigada com um abraço por seres inspiradora desta viagem.
Eduarda.

De Maria Almira Soares a 27.11.2017 às 17:41

Uma coisa boa da leitura é a partilha! Beijinhos, Eduarda.

De anacb a 12.12.2017 às 09:27

Um dos meus livros preferidos de uma das minhas escritoras preferidas.
Excelente post, parabéns!

De Maria Almira Soares a 12.12.2017 às 16:33

Obrigada! É, de facto, um belo livro!

De Engraçadinha a 12.12.2017 às 09:47

Dos melhores livros que li nos últimos tempos. Só parei porque acabou. Adoro esta autora.

De Maria Almira Soares a 12.12.2017 às 16:33

Absolutamente de acordo.

De Alexandra a 12.12.2017 às 12:18

Este texto foi o incentivo que precisava para, finalmente, lançar-me a este livro. Obrigada :)

De Maria Almira Soares a 12.12.2017 às 16:34

Fico muito contente com o bom resultado desta partilha.

De Samantha Em Chamas a 12.12.2017 às 19:47

Gostei muito deste livro (e do filme também, que acabei por ver depois). Foi bom recordar essa sensação. =)

De Maria Almira Soares a 12.12.2017 às 20:16

É bom partilhar as emoções da leitura.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Novembro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930