Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

scriptorium

"Tal como surgiu diante dos meus olhos, a esta hora meridiana, fez-me a impressão de uma alegre oficina da sabedoria." (Umberto Eco, O Nome da Rosa)



Sexta-feira, 24.04.15

O TEMPO

059d4ecf8a55761a04c2496d3a1de673.jpg

 O tempo existe porque há memória. O tempo existe porque há registo. A memória e o registo fabricam um rasto: o tempo. E, para o dizermos, inventamos uma imensa gramática. Sem memória, sem registo, em vez de vivermos no lume brando e sempre ateado do tempo, viveríamos em autocombustão permanente: em vez de passado, cinzas. O futuro é pura ideia, puro pensamento, vontade de reinventar a memória. O tempo não é sensorial como o espaço: não o ouço, não o vejo, não o cheiro, não o apalpo, não o saboreio. Lembro-o. Digo-o. É linguagem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Maria Almira Soares às 12:34



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Abril 2015

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930