Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

scriptorium

"Tal como surgiu diante dos meus olhos, a esta hora meridiana, fez-me a impressão de uma alegre oficina da sabedoria." (Umberto Eco, O Nome da Rosa)



Segunda-feira, 26.10.15

ORA, A LITERATURA... [III]

O Prazer da Leitura 001.jpg

O alargamento da leitura decorre, em grande parte, em parte crescente, da contrafação da literatura e da simultânea convergência, em quantidade e qualidade, de quem escreve e de quem lê. A proporção quantitativa entre quem escreve e quem lê altera-se: o número dos que escrevem alarga o seu espaço dentro do conjunto dos que poderão ler. Os que podem ler vão paulatina e facilmente conquistando lugares no espaço dos que escrevem. Não nascem lá, vão para lá. E, sendo geneticamente os mesmos, os que leem e os que escrevem, fecha-se o espaço literário, apaga-se a distância literária, extingue-se o horizonte literário, liquida-se a literatura, a tal «dor que eles [os leitores] não têm», dizia Pessoa. Inversa e simultaneamente, nos livros, prolifera a dor, exata ou quase exata, que eles, os leitores, têm. E com isso se contentam. Viceja o contentamento da leitura, definha a arte literária. Em vez de arte, contentamento! Fácil é trocar «tão compridos anos de tormento» por «horas breves de meu contentamento». Mais ainda, se nem sequer se sentir a obrigação de agradecer a Camões. Um dia, quem sabe, todos seremos escritores... Ora, a literatura...

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Maria Almira Soares às 11:25



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Outubro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031