Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

scriptorium

"Tal como surgiu diante dos meus olhos, a esta hora meridiana, fez-me a impressão de uma alegre oficina da sabedoria." (Umberto Eco, O Nome da Rosa)



Quinta-feira, 03.04.14

A ARROGÂNCIA E A HUMILDADE

 

A Arrogância e a Humildade eram vizinhas desavindas. Viviam numa mesma casa com muitas moradas. Nesse comum viver, as conversas, muitas, enchiam os corredores e o que delas se dizia, num acumular de intriga sobre intriga, levara-as a concluir que não poderiam ter, nunca, nenhuma afinidade. Quando, no vaivém imparável de palavras, a Arrogância e a Humildade se cruzavam, olhavam-se de cara fechada.

Um dia, só estavam as duas em casa, bateram à porta, gritando de fora:

—  Arrogância! Humildade! Estais aí? Abri, abri! Eu sou a Mesquinhez. Ambas sois as minhas filhas perdidas e reencontradas! Abri, que preciso de vos explicar...

Gritou e gritou, bateu e bateu, mas ninguém lhe abriu a porta: a Arrogância, porque não se queria baixar; e a Humildade, porque não se queria levantar.

A fábula mostra que, como diria Hermes Trismegisto, o que está em cima é igual ao que está em baixo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Maria Almira Soares às 13:47



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Abril 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930