Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

scriptorium

"Tal como surgiu diante dos meus olhos, a esta hora meridiana, fez-me a impressão de uma alegre oficina da sabedoria." (Umberto Eco, O Nome da Rosa)



Sexta-feira, 01.08.14

A DILUIÇÃO DO PROFESSOR

 

Trata-se de uma escola que prefere não produzir atrito nem estranheza e reivindica a realização cabal e feliz da criança. Ao fazê-lo, a educação escolar concebe-se como se ela própria fosse o fim para o qual trabalha, como coisa que se cumpre no imediato e, por isso, logo gera satisfação, subtraindo à educação o desconforto de se fazer como um processo de resultado diferido. A deslocação do professor, nesta nova ecologia escolar, faz parte do episódio mais nomeado pelos críticos deste processo, o da facilitação, a que, frequentemente e pejorativamente, insistem em chamar «facilitismo». A dinâmica de facilitação, instaurada nas práticas educativas escolares, é convergente com a transformação do professor/mestre em professor/agente educativo entre outros agentes educativos; não deriva de princípios pedagógicos cientificamente sustentados e a sua natureza pragmática contribui para o reforço da sua consolidação. Não obstante este processo de pluralização, diversificação plana, naturalização da escola e das ações nela decorrentes, a aula, detentora de uma significação muito específica e muito formal, não perdeu o seu lugar na sua representação, positiva/negativa, quer no vocabulário quer no imaginário escolares. Há certamente razões para que estas transformações, tendentes a diluir o professor e a aula num conjunto alargado de agentes e de ações, não tenham logrado, na referência escolar, desenraizá-los do seu lugar forte.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por Maria Almira Soares às 16:03



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Agosto 2014

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31