Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

scriptorium

"Tal como surgiu diante dos meus olhos, a esta hora meridiana, fez-me a impressão de uma alegre oficina da sabedoria." (Umberto Eco, O Nome da Rosa)



Sexta-feira, 01.05.20

JÁ SEI! o A

Untitled.png

 

Era verão. Estava calor e os dias eram grandes.

A Susana e o Luís, cansados de tanto brincar, sentaram-se num murinho do jardim. Os dois amigos já tinham brincado a tudo: a correr, a saltar, a jogar à bola. Agora, estavam a descansar, calados, a olhar para o chão, sem fazerem nada. Ao fim de algum tempo, começaram a ouvir um barulho, baixinho e repetido, como se alguém viesse a aproximar-se. Levantaram um pouco a cabeça e viram, a mover-se na areia grossa da álea do jardim, uma figura que ainda não conseguiam perceber quem era. Deslocava-se aos pulos, com a cabeça bem levantada e dirigia-se ao lugar onde eles estavam. O seu corpo tinha a forma de um harmónio e era muito colorido — vermelho, amarelo, verde, cor de rosa, azul, cor de laranja — como os balões do São João ou os bonecos das festas chinesas. Pelas marcas deixadas na areia, parecia ter vindo assim a pular, lá desde o fundo do jardim, uma parte onde havia muitas árvores. À medida que se ia aproximando, a Susana e o Luís iam vendo melhor a sua cabeça, redonda e bem erguida. Até já conseguiam ver que tinha uns olhos risonhos, uma boca muito bem desenhada, um nariz e duas orelhas. Os meninos estavam de boca aberta de espanto a olhar para o que não sabiam o que era. Mas sabiam— agora já não tinham dúvidas — que vinha ter com eles. Quando já estava muito próximo, parou. Esticou o corpo, levantou ainda mais a cabeça, olhou para eles e disse:

— Olá!

A Susana e o Luís estavam tão espantados, que nem foram capazes de lhe responder. E, então, ele repetiu:

— Olá!

E, desta vez, ao ouvirem um «olá» tão alegre, quase sem quererem, responderam:

— Olá!

— Sabem quem eu sou?

— Não!!

— Pois eu sei quem vocês são. Conheço-vos, porque vivo neste jardim. Tu és a Susana. E tu és o Luís, amigo da Susana, e costumas vir brincar com ela, todas as tardes.

— E tu? Como é que te chamas? — Perguntou a Susana, já mais calma.

— Eu? Eu sou o Já Sei.

Já Sei?! — Espantaram-se os dois.

— Sim. Chamo-me Já Sei.

Os dois meninos olharam um para o outro muito admirados: não conheciam ninguém chamado Já Sei. Mas também não conheciam ninguém com um corpo igual àquele.

— E quem é que te pôs esse nome tão esquisito?

— Foram os meus irmãos mais velhos.

— Ah! Tens irmãos!

— Pois tenho. Tenho dois: o Já Faço e o Já Vou.

— Ah, ah, ah, que engraçado! Vocês devem ser da família . São todos ! — Disseram, a rirem-se, os dois amigos.

— Como é que adivinharam? É verdade. A minha mãe é a D. Já Está e o meu pai é o Senhor Já Cheguei. Querem saber por que razão vim ter convosco?

— Queremos!

— Pois, então, eu vim, porque vocês já não sabiam ao que haviam de brincar.

— E tu? Sabes?

— Claro! Eu sou o Já Sei.

— Então, diz lá.

— Bem, eu sei uma brincadeira a que acho que vocês nunca brincaram.

— Qual é?

— Às letras.

— Às quê?

— Às letras.

— Letras?! O que é isso?

— Isso é o que vocês vão ficar a saber, se quiserem brincar comigo.

— ‘Tá bem! E há muitas letras?

— Vinte e seis!

— Tantas! E são todas iguais?

— Não. Nada disso. As letras são todas diferentes umas das outras.

— Diferentes, como?

— Cada uma tem um desenho diferente. Umas são mais gordinhas, outras mais magrinhas; umas mais redondas, outras mais bicudas; e assim…

— Ah!

— E também são diferentes no som. Cada letra tem um som diferente.

— Que engraçado!

— E como é que se brinca às letras?

— Se vocês quiserem, eu venho aqui ter convosco todos os dias e, em cada dia, brincamos a uma letra.

— Até já podíamos começar hoje. — Pediu a Susana.

— Pois, estávamos tão aborrecidos sem saber ao que brincar… — Apoiou o Luís.

— Muito bem. — Disse o Já Sei e soprou a areia do jardim.

Imediatamente apareceu um grande A desenhado no chão.

— Que giro! Parece um escadote aberto.

— A mim, parece-me uma cabana.

— Nem escadote nem cabana. Este é o A, a primeira letra. Mas este é um A mágico. Vamos brincar ao A. É assim:

1º — Vocês olham muito bem para o A.

2º — Fecham os olhos com muita força e ficam a pensar no A.

3º — Com os olhos ainda fechados, dizem: A!, virados para o chão.

4º — Abrem os olhos.

Se aparecer um A desenhado na areia à vossa frente, ganharam.

— Ganhámos?! Porquê?

— Porque o A só aparece, se vocês, mesmo com os olhos fechados, se lembrarem de como ele é.

— Vamos jogar?

— Vamos.

Então, o Luís e a Susana olharam muito bem para o A e, depois, fecharam os olhos, enquanto o Já Sei o apagava do chão e, depois, gritava:

— Agora!

E os dois, ainda com os olhos bem fechados, disseram:

A!

A!

— Ganharam os dois. Já podem abrir os olhos.

E, na verdade, como que por magia, à frente de cada um, lá estava a letra A desenhada na areia do jardim.

Riram-se e bateram palmas, todos contentes:

— Já sei o A!

— Já sei o A!

— Agora, tenho de me ir embora. — Disse o Já Sei — Até amanhã!

E lá foi, pulando até ao fundo do jardim, enquanto o Luís e a Susana também pulavam, mas de contentes por já saberem o A, a primeira letra.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Maria Almira Soares às 10:48


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Maio 2020

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31