Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

scriptorium

"Tal como surgiu diante dos meus olhos, a esta hora meridiana, fez-me a impressão de uma alegre oficina da sabedoria." (Umberto Eco, O Nome da Rosa)



Sexta-feira, 06.03.20

NA POSSÍVEL TRANSPARÊNCIA DA FICÇÃO

O-Céu-Que-Nos-Protege.jpg

NA POSSÍVEL TRANSPARÊNCIA DA FICÇÃO

O céu que nos protege de Paul Bowles

   Talvez este romance seja sobre o Sahara, a vida nas cidades do deserto.   Talvez este romance seja sobre a viagem. Não a turística, mas a genuína. Talvez este romance seja sobre um homem e uma mulher. Talvez este romance seja sobre tudo isto. Este romance é sobre um homem e uma mulher viajando pelas cidades do deserto do Sahara.

     Este romance conta-nos a experiência da viagem no deserto norte-africano, vivida profundamente até ao abismo. A entrega ao deserto, sem cortinas, sem resistência. Até com uma certa gula. A gula de experimentar, de se testar no maravilhamento e no risco, na procura do desvendamento de um sentido outro para o ser-se humano, um modo diferente do ser-se americano, do ser-se europeu. Ser-se o quê? O encontro com o que sentem e o modo como vivem homens e mulheres que se vestem de outra maneira, que constroem as casas e as cidades segundo outras ideias. E o pensamento ocidental, vário, sobre o sentido da relação com estes homens e mulheres diferentes: Mudá-los? Preservá-los? Deixá-los entregues a si mesmos? Enfrentá-los? Desprezá-los? Aproveitar-se deles? Deixar que sejam eles a aproveitar-se? Saber cruzar amigavelmente os seus caminhos será possível? Trazendo o «ocidente» na mala de mão? De mãos vazias e peito aberto, sem reservas? Debaixo da abóbada sentida fisicamente, material, do céu do deserto, estas questões adensam-se sob a forma do espanto, do horror, do desconforto, da repugnância, da atração abismal, do maravilhamento, da desistência, do abandono, da subalternização da morte, da entrega, do sofrimento, do engano, da afirmação de poder, da inocência, da duplicidade, da maldade, da estupidez. Paul Bowles é senhor de uma gama de tonalidades do Humano que, neste pródigo terreno, vicejam, crescem, se entrechocam, tecem atmosferas cruéis, venenosas.

   Eixo deste tremendo mapa de emoções, é a viagem. Uma estirpe de viagem que não se confunde com a superficialidade, a precariedade, a autoproteção, a complacência, a desumanidade, até e por vezes, da viagem turística. Bowles conhece profundamente esta estirpe de viagem e as suas várias camadas: real, material, cultural, psicológica, existencial, imaginária, religiosa, simbólica. Bowles, o experiente viajante, sabe quanto a viagem pode ser perturbadora, um corpo-a-corpo com o diferente do qual pode até não se sair vivo. Pela sua experiência de vida, está apto a criar o viajante puro (Port), a viajante sempre em dúvida (Kit), o viajante frustrado (Tunner), a repelente fabricante de spots turísticos a partir da vida de gente que não compreende nem quer compreender, com uma superficialidade cruel mas rentável, ignorante mas poderosa, sabida, autoconfiante (Mrs. Lyle e seu apêndice). A experiência da viagem e os seus contextos desdobram-se num crescendo dramático de situações geradoras de emoções várias de maravilhamento, de nojo, de fuga, de medo, de conflito, de coragem, de rendição, de doença, de morte, de loucura, de corte absoluto. Exotismo? Só mesmo muito, muito, marginal. E mais do leitor do que do romance. Mensagem? Difícil equacioná-la, isolá-la. Viagem sem regresso? Sem paragem? Aviso? Estamos no plano do único, do irrepetível e o único não é exemplar. A chave desta viagem não está no lugar, mas nos viajantes, aqueles e não outros, um Port e uma Kit irrepetíveis na possível transparência ficcional da vida, mas também na alucinatória criação do imaginário literário, da arte.

   Um homem e uma mulher bebem chá no deserto sob um céu que finalmente sairá inocente da sua tragédia. Um homem, uma mulher, um par trágico. Tragédia de ubris e de culpa. De destino? Sem a ubris, sem a culpa, sem o destino, a doença teria sido resolúvel e não teriam fatalmente acabado na morte e na perpétua errância. Port, o jovem apaixonado pela viagem e pelo impulso interior de provar a si próprio e a Kit que haveria ali, para eles, lugares de conhecimento de vidas em estado puro, inocente, e, por isso, impossivelmente felizes. Port, o homem apaixonado por uma narrativa genesíaca sobre o deserto como um éden intocável. Kit a mulher, seguidora, discípula, a viajante do deserto pouco convicta, a intermitente, a cheia de presságios, a suspirante pela amenidade de Itália. Um par. Uma vida de doze anos em comum. O conflito latente. A tentação da tentativa constante. A suspeita da traição e da mentira. O medo. A culpa. A fragilidade e imponderabilidade do amor. A sujeição a Tanner, um manso fermento do mal. Desequilibrador. Menor e, no entanto, poderosa ruína do elo entre Port e Kit. No insuportável calor do deserto, a desconfiança e a culpa transformadas em obsessão e arrastamento até à morte e à loucura. A acumulação das reprovações mudas, das resoluções ocultas, a cavar, nas consciências mútuas, o caminho para o ponto de não regresso.

   Este romance é sobre tudo isto. Este romance é sobre um homem e uma mulher viajando pelas cidades do deserto do Sahara. Segundo Paul Bowles.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Maria Almira Soares às 15:57


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2020

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031