Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

scriptorium

"Tal como surgiu diante dos meus olhos, a esta hora meridiana, fez-me a impressão de uma alegre oficina da sabedoria." (Umberto Eco, O Nome da Rosa)


Domingo, 05.10.14

VIVAS À REPÚBLICA

 

           O Cohen colocou uma pitada de sal à beira do prato, e respondeu, com autoridade, que o empréstimo tinha de se realizar «absolutamente». Os empréstimos em Portugal constiuiam hoje uma das fontes de receita, tão regular, tão indispensável, tão sabida como o imposto. A única ocupação mesmo dos ministérios era esta — «cobrar o imposto» e «fazer o empréstimo». E assim se havia de continuar...

   Carlos não entendia de finanças: mas parecia-lhe que, desse modo, o país ia alegremente e lindamente para a bancarrota.[...]

     Ega mostrou-se impressionado. Olha que brincadeira, hem! E todos escutavam o Cohen. Ega, depois de lhe encher o cálice de novo, fincara os cotovelos na mesa para lhe beber melhor as palavras.

— A bancarrota é tão certa, as coisas estão tão dispostas para ela — continuava o Cohen — que seria mesmo fácil a qualquer, em dois ou três anos, fazer falir o país...

     Ega gritou sofregamente pela «receita». Simplesmente isto: manter uma agitação revolucionária constante; nas vésperas de se lançarem os empréstimos haver duzentos maganões decididos que caíssem à pancada na municipal e quebrassem os candeeiros com vivas à República; telegrafar isto em letras bem gordas para os jornais de Paris, de Londres e do Rio de Janeiro; assustar os mercados, assustar o brasileiro, e a bancarrota estalava. [...] À bancarrota seguia-se uma revolução, evidentemente. Um país que vive da «inscrição», em não lha pagando, agarra no cacete; e procedendo por princípio, ou procedendo apenas por vingança — o primeiro cuidado que tem é varrer a monarquia que lhe representa o «calote», e com ela o crasso pessoal do constitucionalismo.                                    

Eça de Queirós*, Os Maias, Lisboa, Ed. Livros do Brasil, s.d., págs. 165-166.

 

*Escritor português: 25/11/1845, Póvoa de Varzim — 16/8/1900, Neuilly, arredores de Paris.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Maria Almira Soares às 14:30

Terça-feira, 09.09.14

A LIÇÃO D'OS MAIAS

 

Afonso, refiro-me a Afonso da Maia, tinha um plano, uma ideia de futuro para Portugal, e alguém, um neto. Já que o filho falhara, era na vida desse neto que esperava desenhar o seu plano. Todavia, Afonso da Maia estava enganado. Tão enganado, que o desgosto da degenerescência dessa ideia, em que investira crença, princípios, amor, lhe foi mortal. Não resistiu à evidência do seu engano. Expatriado de um Portugal suicidado e suicidário, Afonso da Maia anglicizara-se e, daí, acarinhara a ideia de transplantar para a terra portuguesa a força de uma seiva estrangeirada. Para a realização de tal plano, aparentemente, tinha tudo: a anglofilia, a pessoa do neto e o que restava da pureza da terra, dos ares, da água, Santa Olávia. É aí que inicia a sua luta, educando à inglesa o neto Carlos. Mas...

Mas Portugal não é a Inglaterra.

Mas...

Mas Carlos não é apenas o seu neto. É o filho do suicida romântico e da romântica aventureira. É o neto do negreiro. Por mais fortes e invasores que sejam a convicção, a pureza de princípios, o amor de quem nele empenha o que lhe resta de vida, o alcance do sucesso do seu projeto não coincide com a grandeza desses princípios, convicção, amor. Tal grandeza minimiza a presença de outros elementos que a prejudicam, que conjuram a sua ruína, que polarizam a sua destruição. Combinações mortais! Uma educação transplantada não dá frutos em terra alheia, não medra em meio profundamente viciado nas pechas nacionais. Um ser feito de genes ancestrais resiste à força enformadora de uma educação que os contraria. A uma nação, política, ética, estética, material e animicamente doente, ainda que sob tratamento com remédio importado de 'povos superiores', o mal que a corrói regressa. Só cavando-o e arrancando-o da própria terra, dele se extrairá o princípio da cura. Porque o mal, parecendo promissivamente escorraçado, pairará, nem que seja no desconhecido, e acabará por seguir o seu caminho natural de regresso às suas raízes, de identificação incestuosa com a sua origem, desdenhando a inocuidade das ideias importadas. Assim, caiu Afonso da Maia e a sua ideia de energia, de inteligência, de progresso, de justiça, de superioridade, que julgara trazer de Inglaterra, e que julgara poder plantar em Portugal através do seu neto Carlos. Afinal, também Afonso se iludira, se encantara superficialmente com o espetáculo do que viu lá fora. Haveria que ter pensado mais profundamente, haveria que ter analisado mais profundamente a realidade portuguesa, haveria que ter procurado uma outra ideia genuinamente portuguesa...

Eça, não só faz falhar o plano de Afonso, como comete a subtileza trágica de o fazer sucumbir ao reencontro fatal, incestuoso, entre o vicioso romantismo nacional, atentatório do desejável carácter do neto, e o vicioso romantismo nacional, tragicamente escondido sob a aparência estrangeirada do louro dos cabelos, do porte, dos costumes, do sotaque de uma mulher, ramo da mesma árvore, também ela sua neta. A derrota é absoluta, porque, não só o velho sonhador morre, como também os seus protagonistas não a assumem, não tiram lição, e continuam a fechar círculos viciosos, fugindo para esse mítico e falso Estrangeiro, cá dentro ou lá fora. A derrota do projeto não é redentora.

Ironicamente, sobra a voz do velho Alencar: «é aqui que nascemos, é aqui que rebentamos».

E do Eça que, no subsequente A Cidade e as Serras, já não mata afonsos da maia. Mata o estrangeiro.    

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Maria Almira Soares às 15:29


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Outubro 2018

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031