Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

scriptorium

"Tal como surgiu diante dos meus olhos, a esta hora meridiana, fez-me a impressão de uma alegre oficina da sabedoria." (Umberto Eco, O Nome da Rosa)


Sexta-feira, 24.01.14

DEIXEM PASSAR O HOMEM INVISÍVEL DE RUI CARDOSO MARTINS

Retrospetiva das leituras da comunidade de leitores LerDoceLer:

 

 

Entre o céu azul e os subterrâneos da cidade, a realidade conspira abrindo um buraco. Um episódio insólito? Uma fábula com sentido? Protagonistas: o cego e a criança. DEIXEM - o imperativo que pede uma atitude passiva, um licenciamento, uma tolerância, um levantar de barreiras para - PASSAR - um movimento transitório, um acesso aos caminhos necessários a - O HOMEM - não um, mas o - INVISÍVEL.

 

DEIXEM PASSAR O HOMEM INVISÍVEL.

Como?! O quê? Mas… se não se vê?! Como deixá-lo passar, se se não vê?! Absurdo? Ah! Afinal era engano. Troca de palavras. Inversão de 180º. Não se trata de não ser visto; trata-se de não ver. Será? Será de anedotário do uso da linguagem que se trata? Ou há verdade no engano? Não vemos, ignoramos, aquele que não vê? Tornamos invisível o que não é como nós? Pode ser. A história do cego e da criança, tecida por uma necessidade de resposta a interrogações várias. Sobre a cidade. A cidade dos homens e das crianças e das mulheres. A cidade do asfalto e dos canos e das casas e das ruas. A cidade das ordens e contra-ordens, dos recursos, das burocracias, das repartições, dos poderes. A cidade das notícias, das imagens, dos depoimentos, dos directos, dos imprevistos, do insólito, do ridículo, dos encontros e desencontros… Resposta ao uso da linguagem que não é inócuo. Ao desleixo que toma o que não vê pelo que não é visto. Aos criadores de metáforas que, embalados pelos fluxos da sua inventividade, esquecem a dor real, a dor que deveras se sente e inventam cegueiras brancas como metáfora de denúncia e salvação dos homens. Esquecendo que ser cego é só não ver, sem metáforas nem alegorias. Um livro que quer dar muitas respostas e que, para as dar, abre buracos no cenário e torna o real invisível: a pequena nesga de luz no olho cego, o buraco no chão da cidade, o buraco da morte. A pior, a mais certa conspiração da realidade, é a morte: sempre insólita, sempre inesperada. Buracos e ramificações, muitas ramificações. Algumas oportunistas. Um livro criador de oportunidades de dizer, criador de coincidências para a significação. Um livro que quer significar. Um livro graficamente muito desenhado, cheio de sinais, de divisórias, de placas indicadoras. Tanta sinalização! Muito dividido em capítulos. Muito claramente titulados. Muito claramente separados. Muito referenciados em índice. Muito epigrafado. Dedicado. Vestido por um azulejo cegado pela incúria. Cheio de sinais! Um livro muito conduzido, como que para leitores com dificuldade de orientação. Graficamente muito visual. Um pouco trôpego, um pouco às apalpadelas, mas com recursos explícitos para orientação. Gestos de chamada de atenção: «António com o menino ao colo», António Vicente…

Para nos conduzir ao milagre, à magia, à realidade?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Maria Almira Soares às 14:11


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Junho 2020

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930