Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

scriptorium

"Tal como surgiu diante dos meus olhos, a esta hora meridiana, fez-me a impressão de uma alegre oficina da sabedoria." (Umberto Eco, O Nome da Rosa)


Sábado, 18.01.14

A CIDADE DE ULISSES DE TEOLINDA GERSÃO

 

Retrospetiva de leituras da comunidade de leitores LerDoceLer:

 

Não sei se por influência de Homero, a esta «história inverosímil do regresso a casa», o leitor chega in medias res e é levado numa reconstituição do «acontecido», através de uma narração em jeito de memorando, que desfia a história como no canto de um aedo.

No entretanto e em dispersão da intriga relatada, micro-organismos estranhos à ficção, vão segregando o registo do real, do atual; produzindo a inserção meticulosa do romance nos dias de hoje, numa ligação insidiosa que, ao fechar do livro, feita a leitura, induz a pergunta, quiçá o telefonema para a Gulbenkian, a perguntar:  — Então, essa exposição, quando é que abre?

A literatura a sugerir à vida (de onde afinal ele veio) que continue o livro.

Em modo de conversa-relatada, chegam-nos informações, conhecimentos, História, roteiros, ideias, abatendo o pluricromatismo próprio da encenação viva de uma intriga. E chega, ainda, a aridez dos dados económicos, financeiros, políticos, quase em jeito de manual, de relatório, de registo documental.

A escrita é limpa, clara, direta, corredia como tinta, fazendo o livro parecer um desenho. Em coerência com o explícito e sublinhado lugar dado ao diálogo com as artes plásticas. Uma escrita muito visual e, daí, um livro muito espacial, ambiental, onde se vê Lisboa. Não a Lisboa social, mas a Lisboa arquitetónica, cultural, imaginária, passada, a da herança, a das raízes.

E, em Lisboa, na cidade: a Mulher. O Homem. A Casa. A Arte. O exercício da imaginação sobre o conhecimento: a Arte. Mas também, o casamento, a mãe, o pai, a família, os filhos. E as suas submissões, em contraponto com a liberdade do artista, da criação artística. E a doença, os dramas, os conflitos. As coisas fundamentais, sem pitoresco nem anedótico. Comovente, por vezes. Uma rede de relações familiares, amorosas, divididas pela linha de fronteira homem/mulher.

E um gato.

E o amor: entusiasmado pela ação e pensamento, a criação a dois, as referências literárias, artísticas, culturais.

E a morte. E a obra póstuma. A posteridade. A herança. O espólio.

E um suave feminismo ao contrário de Penélope.

E a homenagem, preito, elegia, a uma cidade: Lisboa.

Uma glosa de Ulisses, o grande arquétipo do regresso como lugar do reencontro, ou não, entre o homem e a mulher.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Maria Almira Soares às 16:28


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2021

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Posts mais comentados